LEMA Economia & Finanças - Mais que uma Empresa de Consultoria de Investimentos para os RPPS

A Construção de uma Carteira de Investimentos

Por Gregório Matias.

Já faz tempo, mais de 65 anos, que Harry Markowitz fundou a chamada Teoria Moderna do Portfólio – ou Teoria de Markowitz –, por razões óbvias.

Seu paper, de 1952, e sua tese de doutorado, ironicamente, contribuíram para seu reconhecimento com o Prêmio Nobel de Economia de 1990, visto que, na defesa de sua tese, Milton Friedman ironicamente teria falado que Teoria do Portfólio não era economia. Ponto duplo para Markowitz!

Nos seus trabalhos, com a utilização de matemática aplicada, Markowitz trouxe a noção de que é possível reduzir risco de um portfólio sem necessariamente renunciar a determinado retorno, sendo isto possível por meio da diversificação de ativos.

É importante ressaltar, no entanto, que a diversificação detalhada na Teoria de Markowitz não se resume à mera distribuição do patrimônio em ativos diversos, pois é preciso observar o grau de correlação que esses ativos possuem entre si.

Distribuir o patrimônio construindo uma carteira com ativos correlacionados entre si não reduz o risco do investimento, trata-se de uma mera pulverização do mesmo. A redução do risco somente é possível com a combinação de ativos descorrelacionados ou, melhor ainda, correlacionados negativamente. Sendo, assim, possível construir uma série de portfólios, nos mais variados níveis de retorno exigidos, que sejam otimizados para a redução do risco.

Esses portfólios de mínimo risco (variância) de acordo com o retorno esperado são chamados de portfólios ótimos e se situam na Fronteira Eficiente.

De forma prática, o trabalho de Markowitz serve para, definido o objetivo de rentabilidade, buscar a carteira que remunere o investidor de acordo com as suas necessidades, com o menor risco possível por meio da diversificação dos ativos, distribuindo os recursos do investidor em investimentos que possuam correlação baixa ou negativa entre si.

Esta metodologia pode ser útil aos RPPS tanto na definição de uma carteira de longo prazo obtida nos estudos de ALM – clique aqui para ler mais sobre –, quanto na análise periódica de sua carteira de investimentos.